1MILHÃO DOS PORTUGUESES DE PORTUGAL (10%) SÃO NEGR

Início Fóruns Relatos/experiências/histórias 1MILHÃO DOS PORTUGUESES DE PORTUGAL (10%) SÃO NEGR

Este tópico contém 2 respostas, tem 1 utilizador, com a última actualização feita por  imported_horta Há 12 anos, 5 meses.

A visualizar 3 artigos - de 1 a 3 (de um total de 3)
  • Posts
    imported_horta
    Participante

    10 Jun, 11:23h

    Dia de Portugal

    UM MILHÃO DOS PORTUGUESES DE PORTUGAL (10%) SÃO NEGROS
    Não se devia diluir o termo africano que actualmente é mais alargado num conceito pós moderno… mas não para todos em África e menos na Europa onde africano é sinónimo de negro/preto incluindo para o mestiço indo para um conceito ou denominação mais anglo-saxónica-germânica. Os nomes não mordem não é preciso ter medo deles. São assim as regras do jogo impostas por outros na terminologia – branco e preto – mesmo assente em base anti-científica

    Praia, 10 de Junho – “Em Portugal e regiões autónomas, está estimado em cerca de 1 milhão de portugueses (ou um pouco mais) de negros e seus descendentes (mestiços) em Portugal com nacionalidade portuguesa (alguns com dupla)… e sem voz activa. O preconceito fala sempre mais alto contra os mesmos remetendo-se-lhes sempre todos os males e perseguições de que padecem na sociedade como complexos.

    A sociedade portuguesa evita assim o estudo real do problema para solução, não assumindo as responsabilidades dessas atitudes discriminatórias umas vezes mais abertas, outras mais dissimuladas.

    Nunca ninguém fala deles (dos negros/mestiços portugueses)… só falam dos mediáticos luso-moçambicanos Eusébios e dos mais recentes casos como o do nigeriano-português Obikwelo ou de um futebolista ou basquetebolista negros. (Obikwelo sem sangue português) ao contrário de Eusébio de avô paterno português, branco, dos Silva Ferreiras).

    Muitos desses portugueses negros/mestiços de pleno direito (será?!) são de origem angolana, são-tomense, cabo-verdiana, guineense, moçambicana e mesmo incluindo timorenses… e as últimas gerações nasceram ou cresceram em Portugal nem têm ideia onde fica a África dos pais e dos avós.

    A TV encarrega-se de lhes apagar da memória esse facto incutindo-lhes complexos de “vergonha” pela origem dos pais devido às imagens seleccionadas nas TV’s portuguesas de amostra quase exclusiva de miséria em África nos telejornais (e nos media, grosso modo).

    The Empire strikes back

    (Expressão inglesa o Império contra-ataca para dizer que agora a “viagem dos descobrimentos” é feita em sentido contrário – pelos africanos das ex-colónias “invadindo” as antigas potências coloniais na Europa. Outra vez, o efeito causa e efeito)

    E isso se reflecte também em Portugal. É que nas ruas portuguesas ninguém anda com o BI português na testa e a sociedade portuguesa de repente se esqueceu que os (brancos) portugueses (bem ou mal) estiveram séculos em África e com as independências muitos (negros/mestiços) vieram para Portugal à procura de algum sossego após os anos conturbados do pós-independência.

    Foram fluxos desde 1974/1975. Só de Moçambique foi registada a saída para Portugal de cerca de 70 mil pessoas mestiças/negras na década de 1976 a 1986.

    Num agregado alargado actual de mais 5 elementos de descendentes daria cerca de 350 mil pessoas só de ascendência moçambicana e todas com a nacionalidade portuguesa. (Contando os falecidos entretanto). Os de Angola e os de Cabo Verde com nacionalidade portuguesa ainda serão de um número maior. Acrescentado os da Guiné e São Tomé e Príncipe o número poderá ultrapassar, actualmente, a cifra de 1 milhão de portugueses de origem negro/mestiça. Não há dados oficiais. Mas fez-se uma estimativa por aproximação com os dados disponíveis.

    Há em Portugal não só reformados negros/mestiços portugueses mas em todas áreas da vida profissional e social (até cientistas) menos nas actividades de maior visibilidade (na televisão) e a nível mais sensível de algum “poder” como na política e “business” que nunca lhes deu espaço. A TVi foi pioneira em Portugal com José Mussuaili como locutor dos noticiários televisivos.

    Mas foi retirado da luz da ribalta pouco depois não por falta de profissionalismo (pelo contrário provado) mas por razões “desconhecidas”. Talvez para muitos ele como pivot “escurecia demasiado” o ecrã de TV. O olhar da maioria do português não aceitaria provavelmente de bom grado. Muito do género: “não sou racista mas…filha minha branca não casa com preto.” Ou ainda: “tenho mulher negra e filho mestiço não sou racista.” Mas ao contrário o mesmo nunca aceitaria: “um negro casado com mulher branca decente”. Pois no orgulho de “macho dominante” lusitano seria intolerável.

    Por outro lado, em Portugal, o acesso ao sistema de ensino superior público é também duplamente discriminatório nos aspectos-socioeconómico e racial, aliás iniciado na primária e secundária. Não é por acaso que as cadeias (prisões) portuguesas têm um alto índice de reclusos negro/mestiços. É uma equação de causa e efeito. A severidade na punição muitas vezes é maior para crimes menores consoante a cor da pele mais escura.

    É assim a integração portuguesa que fala da Lusofonia (para consumo em África) mas que em Portugal os locais (a maioria) não sabem nem querem saber disso. Nem a nível universitário geral, remetendo a Lusofonia quase sempre para uns “Estudos Africanos”. Para bom entendedor meia palavra basta.

    Em relação à presença – ainda silenciosa do negro em Portugal, como escreveu o historiador euro-brasileiro, José Ramos Tinhorão – é pena que essa mais valia em Portugal seja desprezada e desconhecida e não aproveitada. Alguns países europeus já reconhecem essa presença com dignidade e se vê em todo o lado e não somente como casos isolados no desporto ou pela negativa em casos de marginalidade. Em países europeus como a Inglaterra, França (etc.) existem casos de negros como ministros, secretários de estado e assessores, oficiais militares, chefes da polícia. Até na Suécia há bem pouco tempo tinha uma ministra negra – sueca, Nyamko Ana Sabuni, de origem do Burundi. A Suécia tem ainda um assessor angolano/sueco para o trabalho, num determinado ministério.

    Por outro lado países africanos como Angola e Moçambique tiveram e têm ministros brancos de origem portuguesa nos seus quadros. É uma contradição (pela positiva). A equivalência dessa possibilidade em Portugal não existe. É a dolorosa verdade doa a quem doer. Há mais espaço para actividades políticas e empresariais (apesar de tudo) nesses novos países africanos para os brancos africanos que em Portugal para os negros europeus.

    Portugal e os portugueses sempre os primeiros (em África) e os últimos (na integração a sério). Fica-se na propaganda. É interessante que até num sistema colonial/“fascistóide” como foi o de Oliveira Salazar houvesse a preocupação mesmo em termos de propaganda cosmética interna e externa, em dar alguma visibilidade a cidadãos negros/mestiços através da participação na vida parlamentar na AR em Lisboa.

    Eram deputados/representantes das suas colónias de origem quer de Angola, Moçambique, Guiné, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde. (Isto antes do 25 de Abril 1974). Claro para uns é irrelevante mas por outro lado revela que apesar de tudo (chamados fantoches ou não) eram vistos com alguma dignidade pelo regime. E naquele tempo a densidade demográfica de negros/mestiços em Portugal era mínima ao contrário de hoje que em algumas artérias das cidades de Portugal não se pode circular 15 minutos sem se cruzar com um negro/mestiço.

    Pelo menos 10% dos portugueses em Portugal são negros (1 milhão)

    De uma população em Portugal de cerca de 10 milhões, 10 por cento dessa população é negro/mestiça com nacionalidade portuguesa sem retaguarda geopolítica.

    Ninguém ainda reparou neles mesmo sendo cerca de 1 milhão pelo menos de negros/mestiços com nacionalidade portuguesa. Isso como se chama? A culpa não será dos visados (negros/mestiços) mas sim do sistema que impede destes terem maior visibilidade sem ser nas selecções de futebol de Portugal ou até nas selecções de atletismo e de basquetebol. (Inclusive na música muitos tem dupla nacionalidade).

    É assim a vida neste “nosso” Portugal não assim tão pequenininho pois podia ser muito melhor se houvesse menos preconceito!

    João Craveirinha

    Texto publicado no moçambicano, da Beira, Jornal Autarca, edição nº1308, de 01 Junho 2007

    horta

    imported_horta
    Participante

    Ola Horta,boa contribuicao,sua ao trazer este texto ao forum.Infelizmente ,poucos sao os africanos que falam sobre estes temas.Normalmente quando se faz perguntas aos africanos sobre estes temas referidos ,depara-se com uma muralha de silencio ou comecam a pintar o mundo de cor de rosa,talvez por medo a represalias ou por ingenuidade.Se os forenses ler a pagina da amnistia internacional ficarao mais bem informados, na TSF por exemplo.Nenhum de nos podemos mudar o mundo, mas acho que deviamos denunciar aquilo que esta mal .Talvez o nosso melhor amigo seja de cor e de certeza nao queremos que ele seja maltratado.
    CARLO.

    Anónimo

    A verdade e que o rosto da Europa esta mudando e rapidamente. Os europeus espalharam-se pelo mundo tomando pocessoes em todos os continentes, exportanto assim a sua entao sobre-populacao, agora estamos vendo um movimento inverso, causa e efeito como diz o artigo de Joao Craveirinha.

A visualizar 3 artigos - de 1 a 3 (de um total de 3)

Tem de iniciar sessão para responder a este tópico.