Cape Verde Islands

Tuesday 17.09.2019

 
 
Ver mensagens sem resposta | Ver Tópicos ativos

Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 4 mensagens ] 
Autor Mensagem
 Assunto da Mensagem: CABRAL ERA OBSCENO PQ. DIZIA SEMPRE
MensagemEnviado: terça jul 09, 2002 10:44 pm 
Offline
Avatar do Utilizador

Registado: terça jul 09, 2002 9:40 pm
Mensagens: 2
Localização: Cape Vere Islands
É triste ouvir Cabral em cada frase dos seus discursos pronunciar a palavra "KAMARADA" e, ver no rosto dos seus camaradas a vergonha de dizer "KAMARADA"

«CAMARADA <=> Companheiro de quarto; pessoa com quem outra convive; condiscípulo; colega; etc.»

Cabral nunca foi um chefe. Sempre foi um colega, um amigo e um companheiro de todos e em todos os momentos. Hoje, mesmo os meninos de Cabral receiam dizer a palavra CAMARADA.

Pois, de Cabral quiseram tirar tudo. Muitas ruas das cidades caboverdianas que depois da Independência tomaram os nomes dos Heróis da Libertação,reassumiram,com o 13 de Janeiro de 1990,novamente,os nomes dos colonialistas,contrariando a suprema vontade de Cabral, que sonhou erguer monumentos para todos e cada um dos márteres da luta de libertação.

«Enbora manhan, na nos tera livri y indipendenti, tantu na Giné komu Kabu Verdi, nu ten ki labanta munumentu pa tudu nos márti di nos luta, kamaradas». A.CABRAL

O Hino que Cabral compôs e sempre ouviu antes e depois de qualquer cerimónia do Partido da Independência, a Bandeira que (talvés) ele próprio desenhou, foram ignorados pelos anti-Independência que, a quando do 25 de Abril de 1974 se encontravam nos Quarteis de Angola, da Guiné, etc. ao lado dos colonialistas a matar os filhos da nossa terra que, desinteressadamente lutavam para aquilo que foi "a Independência de Cabo Verde".

DISKURSU DI AMILKAR KABRAL EN TRÊS DI AGOSTU DI MIL NOVISENTUS Y SASENTA Y OITU

...Mas abuzu... mas, otu banda, pabía, en Fevreru di sasenta y un, nos kamaradas di Angola komesaba dja ku ses luta armada di libertason nasional, atakandu prizons di Luanda. Foi prisizu na kel altura, nu fasi isforsu, enbora nu sentiba kumá nos isforsu ka tenba inda sufisienti, nu fasi isforsu pa nu disvía atenson di Tugas un bokadu di Angola, pa nu konsentra isforsa un bokadu na nos tera. Pur isu, nos Partidu reuni, y nu razolvi diklara, a três di Agostu de sasenta y un, lenbrandu mimória di nos gentis ki kaíba na kel data la, di sinkuentinovi nu rozolvi diklara pasaji di nos luta, di fázi pulítika pa fazi di ason direta. Kel-la dja, foi baziadu na trabadju ki nos kamarada, ki tinha frekuentáduba nos skola aberta li na Konakri, skola di purparason pulítika, skola di purparason pa mobilizason na kual pasa duranti dôs anu, mas di mil kamaradas purparadu pa nos, pa várius kamaradas di nos, pulitikamenti na sentidu di organiza, nu mobiliza povu dentu nos tera. Kes kamarada dentu nos tera, ku várius rasponsávi ki konsigi poi na prátika palavra di ordi di Partidu, mandandu pasa pa ason direta. Nun noiti nu konsigi rabenta un data di pontu di Tugas, na Sul di nos tera, komu na Sentru y Norti di nos tera. Nu konsigi bota baxu fius di tilifoni, nu konsigi txeima... poi fogu na armazéns di mankára, ku otus armazéns di Tugas. Y un kusa!... abri-nu odju dimás kamaradas. Spanta-nu própi, talvés un bokadu. E manera korajozu, ku intusiasmu ki nos povu ruspondi palabra di ordi di Partidu, pa ason direta kontra povu kolonialista. Kel resposta di nos povu la, da-nu mas koraji, mas intusiasmu, mas vontadi di pega, tézu, pa nu bai pa dianti ku nos luta, kamaradas.
Pasadu algun tenpu, dipos de várius trabadju, dipos ki nu konsigi alguns armasinhu tomadu na mon di Tugas sivil, o propi ki staba na mo di nos gentis o enton metidu na nos tera sukundidu, na kel tenpu un pistola pa nos era un arma di forsa mutu grandi dimás kuantu mas un spingardasinhu, o un Pmsinhu, kamarada. Nu konsigi meti alguns arma. Na mês di Junhu di sasenta y dôs dja, y sobritudu na Dizenbru di sasenta y dôs, ovi alguns pegasinhu dentu di nos tera, entri Tugas y nos gentis. Pabía di ké? Nu sabi ma na mês di Marsu di sasenta y dôs, un kusa duru kontisi na nos bida: Nos kamarada, nos grandi kamarada y kunpanheru di luta, Zaim Lopi, o Rafael Barbosa, ki dipos di trabadja na nos Partidu, komu Sekretáriu di Kontrolu, foi por min mesmu prupostu na reunion ki nu fasi na sasenti un, komu prizidenti di nos Partidu, prizidenti di Kumité Sentral di nos Partidu, Zaim Lopi staba na Bisau, dipos di dizoitu mês na trabadju klandistinu, pur kausa di traison di alguns afrikanu nos armun, foi prezu pa Tuga na mil novisentus y sasenta y dos... na mês di Marsu di sasenta y dôs. Dipos di kel prizon la, Tugas diskubri un data di nomis di nos gentis, es kunsa ku’n represon grandi... so na mês di Junhu, es prendi mas di dôs mil fidju di nos tera. So na Bisau prendedu mas di sen pesoas. Kamaradas, kel-la foi un golpi duru pa nos. Mas, pur isu mesmu nu rasolvi labanta kada bes mas duru, ku mas koraji. Pur isu mesmu, nos kamarada, sem nu da ordi propi, kunsa na fasi fogu ku ses pistola, ku ses pikenu spingarda ki es teneba dentu nôs tera. Tugas kunsa un largu represon dentu nos tera. Es buska nos basi militaris di matu... basi di nos kamaradas mobilizadoris... mobilizadoris di povu. Es distrui aldeia di nos tera, Tabanka... txema-nu tabanka na Sul di nos tera, na Sentru y Norti di nos tera. Mata-nu kamaradas, kamaradas jovens, komu Bitorinu Kosta, komu Bota Nafantxana, mortus di nos, ki nunka más nu ka na skese. Kamaradas mudjeris, komu Kandida Nantuge, ki era un dus xefi di partidu klandistinu dentu di nos tera. Kamaradas ki era agrikultoris, orijinarius di Kabu Verdi, komu Dinis Barbosa y mas sinku otus ki foi masakradus na Kumité. Un data di kamaradas di nos foi mortus na sasenta y dos. Otus foi amaradu pé ku mó, ku pedra prindadu botadu na riu. Otus foi txemadu bibu, otus ses kabesa kortadu, lebadu na populason pa populason djobe pa medu. Tudu kel-la fase-nu raiba na nos korason, kamarada, en ves di mete-nu medu. Nu labanta ku raiba, y anos nu fase un juramentu li, reunidu, nos kuadru di partidu fasi un juramentu: kustu ki kustar un tenda ki da arma na mon di nos djentis, pa labanta pa luta komu debe ser dentu nos tera. Ku tudu difikuldadi ki nu tenba; ka faltaba nos arma, mas tenba difikuldadi. Mas nu razolve nos propi, pa nos meiu, sen ajuda di nindjen, avansa, konsidji da arma na mon di nos djentis pa luta. Nu avansa rapidamenti. Nu liberta várias áreas di nos tera ki konsenti-nu, purtantu, ki na mês di fevreru di sasenta y kuatu nu fasi nos Kongresu di Kasaká. Otu mumentus inportanti di bida di nos povu, kamaradas.
Na mumentu en ki Tugas ta tentaba, ku tudu forsa di seu, ku mas di três mil omi, alguns di kuais vindu di Angola, tenta ritoma ilha do Komu, nu konsidji konbati ku elis duranti setenta y sinku dias, nu poi purtudjês fora, kausandu elis mais di novisentus perda, surprende-s ses forsa, konsolidandu asin, nos serteza kuma Tuga más na nos tera e ka na mandá, kada bes ki nu toma un padás di nos tera, kamaradas. Na kel mumentu la, nos dereson di Partidu rezolve fase Kongresu, alguns kinzi kilómitru apenas en linha reta di Komu pa Kasaká, kamarada. Nos Kongresu, ki reuni prinsipais kuadru di nos Partidu, foi mumentu muitu inportanti sima N falá. Nu fase krítika di nos luta, nu abri nos kamaradas odju klaru na ke ki nu ta fase pa nu midjora nos luta, pa nu avansa pa dianti. Nu kuriji eru, nu kastiga kel ki kumeteba eru duru. Ku koraji nu kastiga-l, purké kel ki nási di un povu ten ki sabe distindji kel ki bale, ten ki sabe kastiga kel ki ka bale. Nu toma medidas novus pa nu avansa ku nos luta, entri us quais nu razolve, kamaradas, kiria nos izérsitu popular apartir di nos Gerilha, organiza milhor nos área libertada, mas, organiza milhor nos Partidu pa tudu banda; kiria zona, kiria rijions ku diresons kuletiva. Envés di na kel altura la pasa ten só un xefi di Gerilha, nu pasa ten kumités ki ta manda na Gerilha. Nu korta asin, razu pa raís tudu tentativa di malandrisi, di opurtunismu di buska pa disgrasa rasa di kada un, di buska konta mintira, di buska straga nos trabadju, kamarada. Nu prokura poi trabadju di nos partidu na mon di grupu di djentis, djentis ki xinti klaru ké ki e nos Partidu, ké ki nos nu mesti: sirvisu di nos povu. Mas nada. Kamaradas, má, na Kongresu di Kasaká tanbé nu razolve kumá ora txigaba dja, di nu kunsa un batadja nobu na nos tera, batadja pa instruson y pa idukason di nos povu. Foi Kongresu di Kasaká ki disidi kumá nu tenba ki kiria skola na no tera. Purtantu, kamarada bos pursoris ki sta li xintadu, bu pode sabe kumá, bo prizensa oxi li, bo prizensa li na matu di nos tera komu prufesoris, na Tabanka di nos tera komu prufesoris, e un rezultadu konkretu di rezulusons di Kongresu di Kasaká, kamaradas. Kongresu di Kasaká foi un mumentu kulminanti di bida di nos povu, di bida di nos Partidu. Fase-nu avansa na novu fasi di nos luta. Nu konsigi modifika nos luta armada, nu avansa luta armada na otus área di nos tera, komu Gabu, Boé, Txon di Mandjaku, Sandumingu, ets., kamaradas. Nu avansa, nos luta avansa, Partidu di nos kunpri ku si palavra pasu a pasu y na kunpri-l até fin, kamaradas. Kustu ki kustar. Na mês di Julhu y Agostu di Sasenta y tres, nu rauni na Dakar, kuadrus principais di nos Partidu, nu fasi un raunion pa nu studa prufundamenti, karaterístika, fatoris, tudu kusa relativu ku luta di Kabu Verdi. Nu toma nos disizon nu kunsa trabadju, pa avansa ku luta na Kabu Verdi Kamarada. Armunsis di nos sta purparadu komu debe ser [... ...] E larga kuartel di Beli, e larga kuartel de Beli... e pena bo ka bai lá. Má e ben tanbe bu ka bai lá, purké kuartel di Beli ta txeraba fédi di más, kamaradas. Tuga staba ton frontadu, ki tudu si nisisidadi, si bai fora eraba dentu di kuartel propi, dentu di abrigu. Bu obi? Disgrasadu Tuga. Disgrasadu di fidju di povu di Tuga ki obrigadu pa si governu, vive asin na nô tera. Ma e na sint... Ma... Pur isu mesmu nu pode fla oxi tres di Agostu, na kumemorason di es festa li, di es data li, kumá midjor munumentu ki nos povu fasé, kes marti ki matadu na kais di Pidjidjiti, e nos luta di libertason nasional, kamaradas. Enbora manhan, na nos tera livri y indipendenti, tantu na Giné komu Kabu Verdi, nu ten ki labanta munumentu pa tudu nos márti di nos luta, kamarada. Luta na seiu di direson di nos Partidu pa nu midjora kada dia mas. A poku y poku nu ilimina di nos metadi tudu kel ki ka bale, luta na seiu di tudu orgons di nos Partidu pa ser kada dia midjor, luta na seiu di nos forsas armadas pa ki nos soldadu ser verdaderu soldadu di nos povu, soldadu di nos revoluson, sirvidoris di nos povu. Luta na seiu di tudu nos militantis pa ki kada militantis di nos tera ki identifika si kabesa interamenti ku nos povu... konpletamenti, kamaradas. Luta kontra kolonialista purtudjesis, kontra tudu inimigus di nos povu; na vijilansia, na ason di kada dia, pa nu avansa, pa nu liberta nos tera, pa nu abri kaminhu largu pa kunpri prugrama di nos Partidu. Pa nu rializa na nos tera pás, prugresu y flisidadi di nos povu. Kel pás, prugresu e flisidadi ki kel sinkuenta trabadjadoris di Kais di Pidjidjiti ki matadu sunha na kel mumentu ki es ka kapás di pega na pó, ku ses mon linpu pa konbati kontra tropas, kontra militaris, kontra pulísia, kontra kolonialista purtugesis na Kais di Pidjidjiti, kamaradas.

Meus agradecimentos ao Dr. Domingos Morais, meu professor, que me proporcionou este documento gravado em MP3, que constitui para mim um grande monumento.


Topo
 Perfil  
 
 Assunto da Mensagem:
MensagemEnviado: quarta jun 04, 2008 9:48 am 
Offline
Avatar do Utilizador

Registado: quarta abr 16, 2008 6:41 am
Mensagens: 19
Localização: Portugal
tete

::Cabo Verde Informações Uteis::


Topo
 Perfil  
 
 Assunto da Mensagem:
MensagemEnviado: terça set 30, 2008 9:34 am 
Offline
Avatar do Utilizador

Registado: segunda jul 09, 2007 8:07 am
Mensagens: 56
Localização: Portugal
Cabral, viveu em Cabo Verde e estudou em Portugal. Tendo sido deslocado para a Guiné onde se deparou com as falhas do governo provincial do Ultramar.

A sua luta não foi contra o povo Português. A sua luta foi contra o sistema Ditatorial que governava Portugal e as províncias ultramarinas.

Ele próprio, casado com uma Portuguesa seria o opositor do reginme mais perto dele para qualuqer negociação.

Não vou discutir as razões que levaram á sua morte, apesar de me sentir do lado de quem defende que foi morto pelos Guineenses que não gostavam os mulatos Cabo-Verdeanos. Contudo, quero dizer que me sinto cansado da palavra Colonialista que parece servir de desculpa para tudo. Não digo que discordo com todo o teu texto, mas não te esqueças que os irmãos Cabo Verdeanos que dizes que lutavam ao lado dos ditos colonialistas, muitos deles estavam, por exemplo em Angola a defender as terras das famílias Cabo Verdeanas que eram donas de grandes quintas de café e outras culturas. E a defender os muitos funcionários públicos Cabo Verdeanos espalhados por todas as províncias Africanas. Já que os Cabo Verdenaos sempre tiveram um excelente acesso á Formação.

A mãe da minha namorada, é filha de Cabo Verdeanos e nasceu em Angola. O que estavam lá a fazer, simplesemnte tamvez houvesse um plano para dar as terras férteis ás familias Cabo Verdeanas que não têm em Cabo Verde. Hoje pensa-se nisso, uma coisa que estava a a contecer gradualmente á 30 anos atrás.

Companheiro, eu não tenho o trauma da desconolização. Mas não te esqueças de uqe Portugal em 75 também teve a sua Independência, e que a História nunca é linear. Existem sempre perdas e ganhos.



Sou Português, como só um Cabo Verdeano ou Brasileiro sabe ser.


Topo
 Perfil  
 
 Assunto da Mensagem:
MensagemEnviado: sexta Oct 03, 2008 11:04 pm 
Offline
Avatar do Utilizador

Registado: sábado ago 23, 2008 5:56 pm
Mensagens: 22
Localização: Portugal
Embora este tópico tenha sido aberto em 2002 !!! Será sempre actual, não só para tentar sarar feridas que ainda hoje se encontram bem abertas , quer para falar de algo que me interessa muito : a História.
Sou Português, vivo em Portugal ,a rua onde vivo á 15 anos ainda se chama ( e bem) Rua Amílcar Cabral , numa Cidade com +- 120.000 habitantes , vivem nesta cidade cerca de 10.000 cidadãos Cabo Verdianos, os seus filhos que nasceram em Portugal são quase todos cidadão Portugueses. Na seleção A do meu país jogam Nany, Miguel e Jorge Andrade...O GRANDE Oceano da Cruz teve no braço a braçadeira de capitão da seleção de Portugal.
Falando de factos mais antigos:
Tive 1 familiar preso e turturado pela PIDE, por se recusar a ir combater como ele diz "contra os meus irmãos Africanos", outro fugiu " a salto" para França com a roupa que tinha no corpo porque não estava para ir defender os "Machambeiros esclavagistas", outros 2 tiveram que ir combater ( um na Guiné , outro no Norte de Moçambique) porque tinham medo de ir parar ao forte de Peniche ou ao Tarrafal de Santiago ... As "feridas " Psicológicas ficaram para sempre.
A luta de Cabral foi e será sempre justa e muitos haverão em Portugal que lhe chamam Camarada do fundo do coração...
Apenas uma ressalva: na minha modesta opinião a pretenção de Cabral de a Guiné e Cabo verde serem um só país é tão provavel como Portugal e Espanha se unificarem... Certos "impulsos" Imperialistas da Guiné sobre Cabo Verde só serão possiveis com a condordância do povo de Cabo Verde, a instabilidade politico-social na Guiné já deu no passado indicios de tentar lembrar essa velha pretenção,e a República de Cabo Verde felizmente sabe sempre com que país pode sempre contar para "refriar" esses impulsos.

Ferro Gaita e de Mundo , Ferro Gaita e de nos tudo , E si propi kim ta cre e si propi kim ta gosta ,um salva de palmo mais rijo ... pa Ferro Gaita


Topo
 Perfil  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 4 mensagens ] 


Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante


Criar Tópicos: Proibído
Responder Tópicos: Proibído
Editar Mensagens: Proibído
Apagar Mensagens: Proibído
Enviar anexos: Proibído

Pesquisar por:
Ir para:  
cron